CORONAVÍRUS: Prefeitura reforça distribuição de alimentos para famílias carentes

A Prefeitura de Nova Venécia, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, em função da pandemia de coronavírus, reforçou a distribuição de alimentos para famílias carentes da cidade. O município já mantém um programa contínuo de distribuição de cestas básicas que beneficia pessoas que se encontram em vulnerabilidade social.Diante do atual cenário de pandemia, visando um possível aumento pela procura, a Prefeitura reforçou a compra de alimentos para distribuir.Toda semana cerca de 300 famílias cadastradas de Nova Venécia estão sendo beneficiadas com a entrega de alimentos por meio do projeto Compra Direta de Alimentos (CDA) e do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).As entregas são realizadas nas terças-feiras, das 13h às 16h, para beneficiários do Programa Bolsa Família, e nas quartas-feiras, das 7h às 11h, para demais beneficiários. Os alimentos são entregues na Casa dos Conselhos, Rua Callegari, nº 75 – Bairro Rúbia. Além de famílias, as entidades Casa do Vovô e Abrigo Casa Lar também recebem alimentos. “Com essa compra direta de alimentos estamos conseguindo amparar famílias que atravessam dificuldades principalmente nesse momento complicado de pandemia”, disse Márcia dos Santos, secretária de Assistência Social de Nova Venécia.Aquisição de alimentosOs programas para adquirir alimentos contam com cerca de 40 produtores cadastrados que integram as associações de Água Limpa e PipNuk. Eles são os responsáveis por fornecer esses alimentos semanalmente. Cada produtor entrega até R$ 8 mil em alimentos por mês pelo PAA e R$ 6.5 mil pelo CDA.Toda semana chega para o município aproximadamente dez toneladas de alimentos. Os produtos são os mais variados como arroz, farinha, biscoitos e diversas frutas, verduras e legumes. Além de beneficiar famílias venecianas, a iniciativa contribui para a manutenção do agricultor no campo, evitando o êxodo rural. “Hoje, com esse programa, nós produtores temos a garantia de vender toda nossa produção. Isso nos estimula a produzir mais. O que antes era para nosso próprio consumo hoje é fonte de renda para nossas famílias, além de beneficiar as famílias que precisam desse alimento”, disse o produtor Walceir de Paula.