CDL e Sindicomerciários estudam mudanças em lei que proíbe comércio abrir aos domingos e feriados

Representantes da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Nova Venécia e do Sindicato dos Comerciários do Estado do Espírito Santo (Sindicomerciários) procuraram a Prefeitura de Nova Venécia e a Câmara de Vereadores para iniciar uma conversa sobre a possibilidade de fazer algumas alterações na lei que veta o funcionamento do comércio aos domingos e feriados. A reunião aconteceu na manhã desta segunda-feira (10), na sala de reuniões da Prefeitura.

A proposta das entidades é que a Prefeitura e a Câmara de Vereadores alterem na lei o artigo que determina definitivamente a proibição do funcionamento do comércio aos domingos e feriados. A ideia é que os próprios empresários, por meio da CDL, e os trabalhadores do comércio, representados pelo Sindicomerciários, passem a decidir, entre eles próprios, se devem abrir ou não em determinadas datas.

A mudança não tem a intenção de fazer com que o comércio funcione todos os domingos ou feriados, mas sim em datas especiais, como no período da festa da cidade ou no natal. “É interessante para as duas partes, uma vez que, caso aconteça a mudança, o comércio poderá abrir naqueles períodos em que as vendas estão aquecidas e com isso o funcionário recebe um por trabalhar a mais, complementando a renda familiar. É interessante lembrar que as duas partes deverão decidir se deverão abrir ou não”, disse a presidente da CDL de Nova Venécia, Célia Hoffman.

Representando a classe dos trabalhadores, a diretora em Nova Venécia do Sindicomerciários, Karenina Rodrigues, disse que a entidade vai dialogar sobre os interesses da categoria. “O sindicato vai optar por aquilo que atende seus associados. Sabemos que a renda extra, proveniente do trabalho nesses dias, interessa muitas pessoas, mas precisamos da garantia de que tudo será definido após acordo junto com os trabalhadores”, enfatizou.

Além dos representantes das duas categorias, participaram da reunião o prefeito Lubiana Barrigueira, o presidente da Câmara de Vereadores, Juarez Oliosi, os vereadores Claudio do Granito e Gleyciária Bergamim.

As alterações na lei deverão ser deliberadas pela Câmara de Vereadores e só passam a valer se forem aprovadas pelos parlamentares.